PRINCÍPIOS ORIENTADORES

1) O Gabinete de Apoio ao Aluno (GAA) tem como princípios orientadores da sua actividade:

  • a mediação de conflitos entre alunos, entre alunos e professores e alunos e funcionários;
  • o combate à falta de assiduidade;
  • a prevenção de comportamentos de risco.

2) O GAA é composto por um professor coordenador (prof. Ma Céu Vigário) e por uma equipa de docentes.

3) O professor coordenador do GAA é responsável pela coordenação da equipa e pela ligação e articulação com outras estruturas de orientação educativa (nomeadamente, os coordenadores de directores de turma, os directores de turma, o Conselho Executivo e o ECAE nos seus vários serviços de apoio) e com instituições exteriores à escola (Centro de Saúde, Associação Khapaz, Associação Acrescer,…)

4) O professor coordenador efectuará relatórios periódicos, onde conste, entre outras a incidência do número de situações acompanhadas, bem como a eficácia das soluções encontradas.

FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO ALUNO

1) O GAA encontra-se aberto diariamente no horário que se anexa e localiza-se na Gabinete Médico do Pavilhão A;
2) Fora do horário acima referido as situações devem ser encaminhadas para o Conselho Executivo.

O PROFESSOR DO GAA DEVE:

  • acolher os alunos expulsos da sala de aula e os alunos trazidos pelos funcionários, ou por estarem a faltar às aulas e se encontrarem na escola, ou por, de alguma forma, terem manifestado um comportamento incorrecto fora das saas de aula;
  • registar sucintamente o relato dos acontecimentos e a atitude dos alunos, na “Ficha de aluno/ocorrência” e arquivar esta informação num dossiê próprio. (Este dossiê encontra-se no Gabinete);
  • arquivar a “Ficha de ocorrência”, preenchida na sala de aula pelo professor curricular ou pelo funcionário, no dossiê próprio , que se encontra na Gabinete;
  • por último, preencher a “Informação ao Director de Turma” e colocá-la no dossiê da. turma que se encontra na sala de professores por baixo dos livros de ponto;
  • tentar mediar/gerir os conflitos existentes, falando com os alunos, chamando-os à razão e sempre que necessário, fazer o encaminhamento das diferentes situações, em colaboração com o Director de Turma, para os diferentes serviços de apoio dos alunos com dificuldades de integração escolar;
  • levar os alunos a reaWzar as tarefas propostas pelos professores que os encaminharam para o GAA;

NOTA: a permanência do aluno no GAA corresponde a um período de 45 minutos. No final desse período deverá ser encaminhado para a sala de aula (no caso das aulas de 90 minutos).

O PROFESSOR QUE ENCAMINHOU O ALUNO PARA O GAA DEVE:

  • preencher a “Ficha de ocorrência”, indicando sempre uma tarefa para o aluno realizar (estas fichas encontram-se num dossiê com a funcionária do pavilhão);
  • chamar a funcionária do pavilhão que acompanhará o aluno ao Sabinete ou ao Conselho Executivo, levando o impresso fornecido pelo professor curricular, que o entregará ao professor do GAA ou no Conselho Executivo;
  • preencher posteriormente, o mais rápido possível, o impresso de participação disciplinar (que se encontra na sala de professores ou na sala de DT) e entregá-la ao director de turma.

O DIRECTOR DE TURMA DEVERA:

  • comunicar todas as ocorrências ao Encarregado de Educação, no prazo máximo de 48 horas;

O ALUNO DEVE:

  • acompanhar a funcionária ao Pavilhão A ou ao Conselho Executivo;
  • reflectir sobre o seu comportamento incorrecto;
  • preencher a “Ficha de Ocorrência/alunos”
  • realizar a tarefa proposta pelo professor, que o encaminhou para o GAA.

O AUXILIAR DE ACÇÃO EDUCATIVA DEVE:

  • acompanhar o aluno ao GAA ou ao CE, quando solicitado pelo professor curricular;
  • entregar a Ficha de ocorrência ao professor que receber o aluno;
  • levar ao GAA ou ao CE o aluno que se encontra na escola e que está a faltar às aulas;
  • levar ao GAA ou ao CE o aluno que manifestou algum comportamento incorrecto, fora das salas de aula.