A criação da nossa escola deve-se à insistência de uma forte vontade local que encontramos reflectida, desde finais dos anos 50 até à abertura das aulas em 1964, na imprensa regional e nas actas da Câmara Municipal do Seixal (CMS) e do Conselho Municipal
O desenvolvimento industrial, que já era considerável, pedia mão de obra qualificada, num tempo em que apenas as crianças com capacidade económica podiam deslocar-se diariamente às escolas de ensino pós-primário mais próximas, em Almada, Setúbal e Barreiro (eram por esses anos cerca de duas centenas).
E foi a própria Câmara que veio a tomar a decisão, na sessão de 1 de Setembro de 1960, de criar uma Escola Técnica Industrial e Comercial, “atendendo à extrema necessidade da existência de um estabelecimento deste género neste conselho”.

À procura de casa
esja1.jpgNão se tratando de uma iniciativa do governo, que até então construía os grandes e sólidos edifícios escolares que conhecemos, teve o Município que responsabilizar-se pelas necessárias condições físicas, o que veio a constituir uma história complicada em vários episódios ao longo de quatro anos.
Inicialmente a escola esteve para ser instalada na antiga Fábrica de Sardinhas do Seixal (edifício onde actualmente funcionam as Finanças e a Polícia), tendo mesmo sido publicado no Diário do Governo de 3 de Fevereiro de 1961, o aviso de concurso público para adjudicação das obras de adaptação.
Esta solução vem a ser abandonada no ano seguinte, decidindo a CMS, em Julho de 62, assumir a construção de um edifício novo para a Escola Técnica em terrenos prometidos gratuitamente ao Município para este fim.
Um ano depois, a empresa Mundet & Companhia, Lda disponibiliza a Casa de Infância da sua fábrica no Seixal para instalação provisória da Escola.
Porém, esta solução vem a ser inviabilizada pela própria Mundet por ter decidido transferir de Lisboa para aquele edifício os seus escritórios centrais.
Em contrapartida, a D. Paula Mundet cedeu, a título provisório, a Creche da fábrica da Amora, entretanto encerrada. Foi nesse edifício que a Escola veio finalmente a abrir, em Novembro de 1964

esja2.jpg

Nascimento, crescimento…
E aqui ficou instalada durante cinco meses até terminarem as obras (iniciadas logo no mês seguinte no Bairro das Cavaquinhas) da construção da sua casa própria em pavilhões prefabricados (que duraram até serem demolidos em 2004). O tão aguardado aconteci­mento deu-se no dia 26 de Abril de 1965. A Escola já tinha “poiso” certo… e muito espaço ao lado para crescer.

Estas instalações iniciais foram desde cedo, nos anos de 1966/68, sucessivamente acrescentadas, sempre a expensas do município, paraesja3.jpg garantir a oferta dos cursos industriais e comerciais que a comunidade local reivindicava, destacando-se os pavilhões  oficinais.

Em 1968, em virtude da reforma que criou o Ciclo Preparatório do Ensino Secundário (correspondente ao actual 2º Ciclo do Ensino Básico), a Escola divide-se em duas: a Escola Preparatória Paulo da Gama, que fica instalada nos pavilhões iniciais, e a nossa Escola que, continuando com os ciclos seguintes das escolas técnicas, fica com as restantes instalações às quais serão acrescentados pavilhões prefabricados para aulas normais.

e formação da personalidade

Inicialmente criada por iniciativa municipal, a Escola acabou por surgir como secção da Escola Industrial e Comercial Emídio Navarro, de Almada, de acordo com o estipulado no Decreto n.º 45980 de 20 de Outubro de 1964. Em toda a região, “a nossa Escola Técnica” ficou sempre conhecida (e continua a ser) como Escola das Cavaquinhas.
Só em 1969, a escola se autonomiza, passando a ser, oficialmente, a Escola Industrial e Comercial do Seixal.
esja4.jpg Na sequência da unificação do ensino secundário (liceus e escolas técnicas), operada com a revolução de Abril de 1974, a Escola Industrial e Comercial do Seixal dá lugar à Escola Secundária do Seixal. Esta nova realidade não impediu que a escola mantivesse, ao nível curricular, a sua identidade, continuando a oferta de cursos industriais e comerciais (mecânica, electricidade, secretariado) e, simultaneamente, se abrisse às áreas artísticas e da comunicação.
Finalmente, em 1993 a Escola Secundária nº 1 do Seixal (assim denominada desde a criação, em 1988, de outra na mesma freguesia, a nº 2, actual Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira), em homenagem ao professor-poeta-cantor e resistente antifascista, adoptou a designação de Escola Secundária Dr. José Afonso. A resposta positiva do Ministério da Educação ao nome proposto pela escola em 1991, com o acordo da Câmara Municipal do Seixal, demorou dois anos a chegar. Foi neste período que a CMS, antecipando-se à decisão do ME, atribuiu à rua o nome de Avenida José Afonso (até então Rua da Escola Técnica).

A História desafia o Presente
esja5.jpgActualmente, a escola continua instalada no seu chão original, diríamos histórico – o Bairro das Cavaquinhas. Desde 2004 em edifício novo, (à excepção do Pavilhão C, que data de uma remodelação anterior efectuada em 1986) e dotada de pavilhão gimnodesportivo, após muitos anos de lutas contra as más condições em que gerações de alunos, professores e funcionários, construíram sonhos, viveram experiências educativas e humanas ímpares que, ainda hoje, constituem a marca de identidade desta comunidade educativa.
Passou a fase do «Feia por fora/Bonita por dentro».
Guardemos a memória do que fomos e descubramos o que de melhor ela nos dá. Fica-nos a responsabilidade de continuarmos a (re)construí-la por dentro em cada gesto, na sala de aula e em todo o espaço educativo. A cidadania e o relacionamento humano bem sucedido entre os diversos actores educativos serão condição para todos os outros “sucessos”.